Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Entrada Notícias Alfama recebe €2.2 milhões do QREN

Alfama recebe €2.2 milhões do QREN

A start‐up farmacêutica Alfama Lda anunciou hoje que o IAPMEI aprovou um financiamento de aproximadamente €2.2 milhões para apoio ao desenvolvimento de moléculas libertadoras de monóxido de carbono (CORMs) – tecnologia inventada e controlada pela empresa – para fins terapêuticos. O apoio, proveniente do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), será usado no fortalecimento competitivo da plataforma CORM, nomeadamente permitindo à Alfama externalizar serviços especializados de I&D, solidificar a sua carteira de propriedade intelectual e expandir a sua equipa nuclear de cientistas.

 

“Este apoio do QREN é prova de que Portugal está a apostar em tecnologias de ponta e em equipas empreendedoras para revigorar a sua economia nesta altura difícil. O financiamento permitirá à Alfama dar uma nova força à base transversal da sua tecnologia, ao mesmo tempo que beneficia de investimentos privados de capital de risco para levar as suas moléculas mais promissoras até às fases de desenvolvimento clínico, numa estratégia mais vertical” disse o Presidente da Alfama, Nuno Arantes e Oliveira. O apoio do QREN é operacionalizado pelo IAPMEI (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação), cujo Presidente Luís Filipe Costa declarou “estar extremamente satisfeito com a aprovação desta candidatura no âmbito do QREN, que possibilitará o desenvolvimento do projecto pioneiro da Alfama, em complemento ao financiamento já angariado pela empresa junto de Capitais de Risco portuguesas (Inovcapital e Aicep Capital) e business angels nacionais e internacionais”.

As CORMs são moléculas pertencentes a várias classes químicas que levam monóxido de carbono (CO) a locais específicos no organismo e em situações patológicas particulares. O CO é um vasodilatador e tem se revelado também como um forte agente anti-inflamatório, antitrombótico e anti-apoptótico. Nos últimos anos as CORMs têm revelado um perfil de segurança muito atractivo e têm demonstrado efeitos terapêuticos em modelos animais de doenças humanas tais como a hepatite aguda, a esclerose múltipla, a artrite reumatóide, o enfarte do miocárdio, a rejeição de transplantes e a malária, entre outras.

 

Para mais informação, contactar:

Agnes Lopes

(+351) 214 240 001